Crescer

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014


A familiaridade  aconchega-te no início.
Não precisas de questionar nada.
Afinal sabes tudo sobre tudo e estás bem assim.
Dói.
Acordas um dia, e apercebes-te que estás maior do que os teus horizontes permitiam, irrompes pelos escombros da pequena crisálida a que chamaste mundo.
Dói.
Uma dor boa, como se estivesses tempo demais submerso na água, e os teus pulmões reclamassem por oxigénio, ameaçando sair-te pelo peito.
Dói.
Subitamente vês o mundo de outra forma.
O mundo deixa de ser preto e branco, bom e mau, linear, e entras numa overdose de cores, nuances e ambiguidades.
Dói.
E quando deixa de doer, quando olhas para trás e vês o quão mudado estás, quando começas a ter certezas, quando te sentes aconchegado no teu pequeno mundo, O processo repete-se.
E Dói.

3 comentários:

  1. eu levei isto para um lado muito errado...

    r. ui com esses é fácil de lidar, mandas para o caralhinho xD

    ResponderEliminar
  2. @Kyle - Até tenho medo xD

    @Namorado - Não há, e mesmo que houvesse acho que não queria.

    ResponderEliminar

Vá, a comentar enquanto ainda não cobro nada.
Respondo sempre e coiso.
(sou ótimo a motivar as pessoas hein?)