Viver em casa dos progenitores, tem milhões de prós.
De entre os muitos que há, dou especial destaque a toda a falta de privacidade - afinal, quem precisa de privacidade - que se materializa diversas vezes aos ataques aleatórios de stepford wife arraçado de agente da divisão de controlo de narcóticos da minha mãe, que amavelmente me revista e reograniza todo o interior do quarto sem aviso prévio.

Como tal, toda a tarefa de ter preservativos por casa sem lhe causar uma arritmia cardíaca que despoletará o possível questionário ao nível do FBI - Como só as mães sabem fazer - sobre onde é que eu ando a gastar preservativos de sabor a morango, é bastante mais difícil do que possa parecer.
Como insisto em exercer esporadicamente o meu direito ao orgasmo, tive que me desenrascar.
A ideia que me pareceu mais lógica de há uns anos para cá, foi pegar num dos meus 20 e poucos casacos - não julguem - e nomeá-lo como "o casaco dos preservativos".

E é a esse feliz contemplado que calha o fardo de carregar tudo o que é preservativo que eu tenha à disposição, para uma altura de aperto, porque ninguém perde tempo a revistar casacos só porque sim.
Ora, tudo isto pareceu uma ideia genial e correu às mil maravilhas, até há uns dias atrás.

Resolvi ir comprar o almoço, uma coisinha leve e saudável e tal.
Vesti o meu biker jacket, e aquelas calças que por pacto demoníaco ou tecnologia inovadora deixam que o meu rabo pareça um poster dos boxers da armani, todo trabalhado na sensualidade, num daqueles dias em que acordamos a pensar que o mundo é um buffet, á espera de ser comido.

Comprei umas courgettes, uns pepinos e umas cenouras - por algum motivo a minha lista de compras estava um tanto ao quanto fálica naquele dia - uma embalagem de vaselina e umas bolachas de chocolate, e esbarrei contra o rapazinho mais delicioso de sempre na caixa.

Todo eu sorrisos e piscares de olhos, tiro do cartão para pagar e subitamente uma avalanche de preservativos espalham se pelo chão e pelo tapete da caixa, numa míriade de marcas e variedades, de extra finos a extra lubrificados, em quantidade suficiente para fornecer umas semaninhas o distrito da luz vermelha em Amesterdão.
Juntemos a isto as courgettes cenouras e pepinos e a vaselina - que nem era para mim - , e acho que podemos todos imaginar a minha vergonha, principalmente quando o rapazito se começou a rir da situação enquanto me ajudava a apanhar os ditos bem como os cacos da minha recém estilhaçada dignidade.

Podemos assumir que vou entrar em 2016 solteiro e com muitos preservativos para gastar.
Nada melhor para o espírito natalício colectivo que falar de humilhações pessoais, não é verdade?

10 comentários:

  1. What? Are u living on a movie? :D
    No final ele devia ter te pedido o número... Ou pelo menos procurar-te no grindr...

    ResponderEliminar
  2. A seguir vais dizer que foi sem queres, apenas uma coincidência.
    Sabes muito. lol.

    ResponderEliminar
  3. Rapaz... que coisa hein! ehehehe
    Digamos que foi uma mensagem clara ao mocinho, quem sabe o que o ano ainda lhe reserva... Mas isso me lembrou uma vez que um colega (e juro que foi um colega mesmo eheh), tinha guardado um tubo de lubrificante em sua pasta - para evitar a "inspeção de rotina" e esqueceu de tirá-lo de lá.

    Na reunião do dia seguinte... ele coloca a pasta sobre a mesa, a diaba da pasta tomba e adivinha quem pula de lá, tal qual uma ginasta olímpica?! Pois é...

    Abraço grande! ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. eu aqui imaginando a cara das outras pessoas na reuniao! rsrsr

      Eliminar
  4. Uma vez a minha ia ficar em minha casa sozinha umas horas. Uns dias antes fiz o meu namorado levar tudo o que era incriminatório. Mas não sei como ficou um preservativo esquecido... Coloquei-o dentro do meu casacão de inverno (que eu só tenho dois casacos, não sou como tu... LOL), e andou lá meses...

    ResponderEliminar
  5. Olha Miguel, por experiência própria, deixa um molho deles em cima da cabeceira mesmo à cara podre. A tua mãe vê e nunca mais te vai bisbilhotar o quarto na vida, acredita! :P é remédio santo!

    ResponderEliminar
  6. ahahahaha!! O que eu me ri! (até o cão que é surdo se assutou!) ahahaha!!

    Acho que não imagino a vergonha, mas dava tudo para ter sido uma mosca naquele momento e assistir... LOOOOOL xD

    Hás-de voltar lá, sem a artilharia e a comprar coisas menos fálicas, vais pra caixa do mesmo rapazinho e logo vês se ele se lembra de ti ou não XD

    Abraço =)

    ResponderEliminar
  7. eu ri do seu texto do começo ao fim... e só de imaginar a cena ja me envergonhei por tabela...

    ResponderEliminar
  8. Ops...talvez seja um sinal que o melhor é guarda-los num outro local :-p

    ResponderEliminar
  9. LOOOOOOLLLL muito bom! Grande gargalhada LOOOL Oh pah, só tu! LOOOOOOL Desculpa mas não consigo parar de rir LOOOL

    ResponderEliminar

Vá, a comentar enquanto ainda não cobro nada.
Respondo sempre e coiso.
(sou ótimo a motivar as pessoas hein?)