O Assanhado

sexta-feira, 18 de abril de 2014



Como já aqui referi, trabalhei uns tempos num supermercado, e lidava constantemente com o publico.
Começou tudo num dos picos de atividade turística aqui da zona.

Não me lembro especificamente de quando foi, mas vou arriscar e dizer que foi numa Páscoa.
No meio de imensos clientes, passou um rapaz girito pela minha caixa - nem lhe prestei grande atenção, as filas eram intermináveis, e o patrão queria que 3 empregados fizessem o trabalho de 8, por isso era um vê-se-te-avias completo - e eu fiz uma piada qualquer e ajudei-o a colocar as compras no saco, enquanto ele pagava pelo multibanco.

E aqui vamos esclarecer que eu nunca dei esperanças ao moço, isto não é um daqueles casos de mãozinha a roçar, música romântica e tal.
Sempre fui bastante simpático com as pessoas num geral, e com os clientes em particular - ainda hoje tenho velhotas minhas antigas que me vêm na rua e vem dar dois beijinhos, só porque falava cordialmente com elas - limitei-me a atendê-lo bem.

O rapaz foi-se embora e eu fiquei a atender outras pessoas sem ligar muito ao assunto.
No dia seguinte, quase na minha hora de sair, o mesmo rapaz volta à minha caixa, muito simpático e tal, a tentar dar conversa, quando o que eu queria era sair daquele inferno consumista e ir para casa.

E lentamente, começou a tornar-se rotina quase diária, o dito rapaz - que até eu com o meu gaydar avariado conseguia detetar a milhas - vir ao supermercado, e esperar religiosamente na minha fila, por maior que estivesse, muitas vezes só para comprar um pacotinho de pastilhas, uns lenços ou um chocolate.

Para vos contextualizar, tenho de admitir que eu tenho um grande problema.
Demoro milénios a perceber quando alguém está interessado em mim.Não é por mal, mas se não estou interessado, podem ter uma seta de neon no rabo a dizer "parking disponível" que eu não vou reparar.

E isto não dá jeito nenhum, porque se fosse mais perspicaz nessas artes da rejeição, talvez tivesse evitado esta e outras situações constrangedoras.
Adiante

Se durante umas semanas, eu deixei passar completamente ao lado, a dada altura, começou a tornar-se dolorosamente óbvio que o rapaz estava interessado em mim, tendo em conta que entrava supermercado adentro e ia à procura de mim com a maior cara possível de "põe-me no espeto e chama-me rodízio".

Chegámos ao ponto em que algumas das minhas colegas de trabalho - e os seguranças - já reparavam e comentavam.
Quando me via na rua, seguia-me a uma "distância segura" e fazia adeus, e o que para muitos poderia ser um boost de auto estima, para mim tornou-se uma história de terror rasca.

Começou a tornar-se incómodo, ao ponto de ter deixado de ir ao Mc Donalds - onde ele trabalhava - com medo de o encontrar.

Um dia qualquer, já findas algumas semanas com a loja mais vazia que o costume, entra o rapaz, disparado, e nem se dá ao trabalho de ir aos corredores buscar qualquer coisa simbólica como de costume, vai á minha caixa, aproxima-se de mim, dá me um papel e diz "liga-me", pisca o olho e vai-se embora.

E eu, que não estava minimamente interessado... deitei fora o papelinho e não lhe liguei.
E ele voltou a ir lá e a dar-me outro papelinho.
E outro.
E outro.
E eu posso não ser pró nestas coisas da rejeição, mas acho que não há forma mais diplomática de dar um pé na bunda de alguém que este. Se houver, avisem-me.

Um dia qualquer, vai lá com um amigo, e eu a rezar para que ele não me reconhecesse - por milagre - , ou para haver um sismo que engolisse a minha caixa para as profundezas do inferno, e ao dar-lhe o talão, a seguinte conversa desenrolou-se toda num tom imensamente flirty.
Ah, e no talão não vem o número de telefone do Miguel?
... Não.
De certeza?
Sim, de certeza
Oh, porquê?
Porque o Miguel não está interessado, caso não seja óbvio.
Ai nossa, que bruto, *risos*
Passados uns dias, veio, com dois amigos, à minha caixa - surprise surprise - comprar preservativos - como se a situação não fosse já constrangedora suficiente -, pagam a conta, e qual flashmob de badalhoquice, começam aos beijos de língua os três, tipo isto:

E ficam nisto uns 10 minutos, com direito a gemidos, mãos nas calças etc etc.
Acabam o serviço, o rapaz olha para mim, pisca-me o olho com um sorriso estilo "vês o que perdeste?" e vai-se embora, deixando-me com a maior cara de tacho de sempre, e com uma fila enorme de clientes á procura das câmaras dos apanhados.

E foi a última vez que o vi.
Fiquei a saber uns tempos depois, que antes de mim, se tinha feito hardcore a um dos seguranças, e a um rapaz do talho.
E até hoje penso agradeço à minha intuição que até foi amiga.

Já agora deixo a pergunta:
Qual foi o caso mais engraçado de interesse não reciproco que já vos aconteceu?
E como lidaram com ele?

26 comentários:

  1. que nojo, fazer isso num supermercado? O rapaz era um badalhoquinho xD

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Toda uma falta de vergonha, digo eu.
      Não gostei nada sinceramente. Se tivesse algum interesse pelo rapaz, tinha-se eclipsado todo só com aquilo.

      Eliminar
    2. pudera!

      r. já ouvi falar no livro, acho :)

      Eliminar
  2. Verdade ?
    Que relato delicioso...
    O tipo além de convencido foi atrevido. Fizeste bem.
    Outros doces aparecerão.

    Boa Páscoa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já alguma água rolou debaixo da ponte depois disso João :P

      Eliminar
  3. que coisa horrível!!! Que coisa horrível!!! é nojento! essas cenas são detestáveis, chega a ser falta de respeito. Foste digno!
    Hummmm tive algumas...um homem mais velho que andava a tirar o meu curso um ano atrasado, e me veio pedir apontamentos descaradamente e a partir daí foi tenso pa me deixar em paz, um outro que foi perguntar a uma amiga se nos podia apresentar, numa discoteca um tipo tentou literalmente engatar-me, eu educadamente disse que não, e ele desata aos berros a dizer porque é que os tipos como ele nunca tinham hipótese com tipos como eu...enfim...mas lembro-me, o mais tenso de tudo, dois antigos gerentes do meu local de trabalho. Vou fazer um post pa isso, pk é muito tenso...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sou sempre digno :P
      Assim de forma tão... explicita só mesmo este e achei super desconfortável xD

      Já fui ver o teu post e gostei :P

      Eliminar
  4. Ahahah, "com o meu gaydar avariado". Loool

    ResponderEliminar
  5. Bem, eu não teria estômago para isso que presenciaste. Que horror! loool

    Eu tenho um caso recente desses. Acho que ainda está a decorrer. Um tipo que conheci em agosto passado. Ele ate tem o look, mas abre-me aquela boca e NOSSA senhora! É de fugir. E é um bronco de primeira. Sempre que pode manda-me mensagem e não descola. Está a custar-lhe perceber que eu não estou minimamente interessado, mas insiste. Não sei que lhe faça...

    ResponderEliminar
  6. MEDO. Nem sei muito bem como reagiria. Até porque isso é uma clara perseguição e o espectáculo que fizeram foi deprimente. Por acaso num passei por nenhuma situação parecida... pronto, tirando o puto de 21 anos que não me larga a periquita, mas isso porque culpa minha que lhe dei conversa e agora tenho que viver com esse erro... mas fora isso, sempre foi tudo muito ligeiro. Mas eu também não sou bonzão como o menino, portanto, ninguém o manda ser gostoso :P LOLOLOL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O namorado também é irresistibele! até os jovens lhe caem aos pés xD
      Eu sou imensamente bonzão, qualquer dia ponho aqui uma sessão fotográfica toda sensualona, só pro namorado.

      Eliminar
  7. opá, eu ri-me! :D

    Tnho uma "engraçada" que podia contsar, mas já é tarde... talvez conte um dia destes lá no meu blog. :)

    ResponderEliminar
  8. Eu só tive situações dessas virtualmente. Uma com um cota, a quem dei conversa, e pronto... Tive quase de o mandar bugiar.
    O outro foi um atrasado mental qq, que me mandava fotos da pila e do rabo, e eu respondia "qué isto, meu?", e ele respondia "não gostaste? :("

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sabias o que era aquilo Horatius? xDDD

      Eliminar
    2. Não. Era virgem e inocente na altura xD

      Eliminar
  9. Que cena marada que te aconteceu, Miguel! Bolas, nunca ouvi nada assim, comparando com isso a minha história é de bebés, lol
    Uma vez, num cruzeiro no norte da Europa, estou a relaxar no jacuzzi do spa... ao meu lado, um rapazito indiano dá-me um toque na perna. Não liguei, desviei a perna. Outro toque. Outro desvio. De repente, o gajo mete a mão no meu dito cujo... oi???

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. AI LOL não sei como reagiria na tua situação. Ao menos era jeitoso?

      Eliminar
    2. Isto tudo para o Coelho dizer que andava num cruzeiro no Norte da Europa xD
      Não gostas da raça indiana, Coelho?

      Eliminar
    3. Lol Horatius, não era para dizer que andava num cruzeiro no Norte da Europa, até porque já falei disso lá no meu blog, há uns anos atrás.

      O tipo era parecido com o Mohinder Suresh da série Heroes. Eu na altura já tinha aceite que também gostava de homens, mas estava numa relação hetero.

      Quando ele meteu a mão eu dei um salto, e disse-lhe, completamente atrapalhado "No, thanks". Depois fui para a sauna, e ele foi atrás, começámos a falar e até foi divertido. Um amigo meu que estava no mesmo jacuzzi nem se chegou a aperceber, lol.

      Eliminar
    4. LOOL
      O tipo que disses-te até tem um certo encanto... LOL

      Apesar disso, ainda fizeste um amigo.. :D

      Eliminar

Vá, a comentar enquanto ainda não cobro nada.
Respondo sempre e coiso.
(sou ótimo a motivar as pessoas hein?)